Por que o design thinking é chamado de abordagem criativa?

Assim, nasce o design thinking como processo. No entanto, o risco de ter um processo definido que se torne padronizado pode levar a um resultado previsível e menos criativo. O design thinking agora é conhecido como uma abordagem criativa de resolução de problemas que os designers usam para criar novos valores que são diferentes e criam um impacto positivo. Design thinking é um processo de resolução criativa de problemas.

O design thinking tem um núcleo centrado no ser humano. Ele incentiva as organizações a se concentrarem nas pessoas para as quais estão criando, o que leva a melhores produtos, serviços e processos internos. Quando você se senta para criar uma solução para uma necessidade de negócios, a primeira pergunta deve ser sempre: qual é a necessidade humana por trás disso? É por isso que os inovadores geralmente criam um portfólio de opções. A desvantagem é que muitas ideias diluem o foco e os recursos.

Para administrar essa tensão, os inovadores devem estar dispostos a abrir mão de ideias ruins para “chamar o bebê de feio”, como descreveu um gerente em um dos meus estudos. Infelizmente, as pessoas muitas vezes acham mais fácil matar as ideias criativas (e indiscutivelmente mais arriscadas) do que matar as incrementais. Design thinking é um processo para resolver problemas priorizando as necessidades do consumidor acima de tudo. Ele se baseia em observar, com empatia, como as pessoas interagem com seus ambientes e emprega uma abordagem iterativa e prática para criar soluções inovadoras.

Pensar como um designer pode transformar a maneira como as organizações desenvolvem produtos, serviços, processos e estratégias. Essa abordagem, que é conhecida como design thinking, reúne o que é desejável do ponto de vista humano com o que é tecnologicamente viável e economicamente viável. Também permite que pessoas que não são treinadas como designers usem ferramentas criativas para enfrentar uma grande variedade de desafios. Depois de usar os critérios de design para fazer um brainstorming individual, os participantes se reúnem para compartilhar ideias e construí-las de forma criativa, em vez de simplesmente negociar compromissos quando surgem diferenças.

Mas cada vez mais, a definição de design se expandiu para incluir não apenas artefatos, mas serviços e sistemas estratégicos. Os adereços físicos e as ferramentas altamente formatadas do design thinking proporcionam essa sensação de segurança, ajudando os futuros inovadores a se moverem com mais segurança através da descoberta das necessidades do cliente, geração de ideias e testes de ideias. Mas os gerentes das equipes de inovação geralmente não são designers e também não estão acostumados a fazer pesquisas cara a cara com os clientes, ficando profundamente imersos em suas perspectivas, co-criando com as partes interessadas e projetando e executando experimentos. No coração do Design Thinking está a intenção de melhorar os produtos, analisando e entendendo como os usuários interagem com os produtos e investigando as condições em que operam.

Uma maneira de manter um projeto de design no caminho certo e organizar as ideias principais é usar uma abordagem de Design Thinking. Às vezes, a maneira mais fácil de entender algo intangível, como o Design Thinking, é entender o que não é. Ensinamos as fases do design thinking como etapas lineares, mas na prática o processo nem sempre é linear. O design thinking também está associado a prescrições para a inovação de produtos e serviços em contextos empresariais e sociais.

Aqui está o que você precisa saber sobre essa técnica criativa de resolução de problemas, incluindo uma definição e por que ela está conquistando o mundo dos negócios. Com isso em mente, pode ser mais correto dizer que Design Thinking não se trata de pensar fora da caixa, mas em sua borda, seu canto, sua aba e sob seu código de barras, como Clint Runge colocou. Embora ostensivamente voltado para entender e moldar as experiências dos clientes, o design thinking também reformula profundamente as experiências dos próprios inovadores. É por isso que o design thinking exige a criação de artefatos básicos e de baixo custo que capturarão os recursos essenciais da experiência do usuário proposta.

Cris Lindner
Cris Lindner

Facilitadora de inovação dirigida pelo design. Inventora com foco em design thinking, gamification e tecnologias para o desenvolvimento da inteligência criativa. Designer bacharelada pelo Mackenzie a 20 anos, 10 anos como Neuro Experience Designer, tendo trabalhado com grandes marcas e projetos de diversos segmentos, como Coca-Cola, Globo, Intel, Bradesco e muitas outras. Designer de Ideias e Designer de Futuro, especializada pela USP em Gestão da Inovação, MIT em Design Thinking e MBA em Brading pela Rio Branco.42 anos de história, com muitas aventuras e experiências de uma vida que faz mais sentido dia a dia… Após esses 20 anos ajudando grandes marcas a se conectarem com seus públicos, oriento meus esforços para ajudar pessoas a encontrarem sua verdadeira originalidade, trabalharem seu propósito maior e refinarem sua utilidade … depois de ter dedicado os últimos 10 anos na Innovati, por meio de PD&I, NX e NUX, para conquistar formas mais fáceis de PENSAR e evoluir o poder CRIATIVO humano, traduzido em melhores planos e decisões sobre o que FAZER, ou como AGIR, mas principalmente se conectarem com seu SENTIR e para viverem o seu SER MAIOR. E assim, foi através de uma teoria original epistemológica que pudemos criar o Hack do Insight, tornando a criatividade acessível a todos os perfis de mentes humanas, que precisam principalmente tomar decisões mais rápidas de forma assertiva e ter ideias inovadoras e disruptivas livremente, com confiança e a qualquer momento.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *