Quais são algumas maneiras comuns de usar o design thinking?

O Design Thinking é extremamente útil para lidar com problemas mal definidos ou desconhecidos, reformulando o problema de maneiras centradas no ser humano, criando muitas ideias em sessões de brainstorming e adotando uma abordagem prática em prototipagem e teste. design thinking é um processo de resolução criativa de problemas. O design thinking tem um núcleo centrado no ser humano. Ele incentiva as organizações a se concentrarem nas pessoas para as quais estão criando, o que leva a melhores produtos, serviços e processos internos.

Quando você se senta para criar uma solução para uma necessidade de negócios, a primeira pergunta deve ser sempre: qual é a necessidade humana por trás disso? Para começar você no caminho para se tornar um melhor solucionador de problemas, aqui estão 5 dicas simples, mas eficazes, de como usar o design thinking em sua vida diária. Design thinking é uma abordagem usada para resolver problemas práticos e criativos. Baseia-se fortemente nos métodos e processos que os designers usam (daí o nome), mas na verdade evoluiu de uma variedade de campos diferentes, incluindo arquitetura, engenharia e negócios. O design thinking também pode ser aplicado a qualquer campo; não precisa necessariamente ser específico do design.

Se você quiser aprender mais sobre design thinking, este guia abrangente para iniciantes explica como design thinking, lean e agile trabalham juntos e lança alguma luz sobre a relação entre design thinking e UX design. Integrar o Design Thinking em seu processo pode agregar um enorme valor comercial, garantindo que os produtos que você projeta não sejam apenas desejáveis para os clientes, mas também viáveis em termos de orçamento e recursos da empresa. Como qualquer bom pensador de design faria, eles buscaram inspiração em uma variedade de fontes prováveis e improváveis. O design thinking é “centrado no ser humano”, o que significa que ele usa evidências de como os consumidores (humanos) realmente se envolvem com um produto ou serviço, em vez de como outra pessoa ou uma organização pensa que se envolverá com ele.

Após a prototipagem, vem o teste do usuário, mas é importante notar que isso raramente é o fim do processo de Design Thinking. Isso se reflete na metodologia de design thinking, que exploraremos em detalhes um pouco mais tarde. O Design Thinking é frequentemente citado como o meio termo saudável da solução de problemas, não está totalmente mergulhado em emoção e intuição, nem depende apenas de análises, ciência e lógica; ele usa uma mistura de ambos. A segunda fase do design thinking é desenvolver soluções para o problema (que agora você entende completamente).

Os testes também envolvem os clientes, e esse envolvimento contínuo fornece feedback essencial do usuário sobre possíveis designs e casos de uso. Isso cria um ciclo perpétuo, no qual os designers continuam a obter novos insights, desenvolver novas maneiras de visualizar o produto e seus possíveis usos e desenvolver uma compreensão muito mais profunda dos usuários e dos problemas que enfrentam. A IBM o adotou em nível de toda a empresa, treinando muitos de seus quase 400.000 funcionários em princípios de design thinking. O primeiro passo no design thinking é entender o problema que você está tentando resolver antes de procurar soluções.

Também permite que aqueles que não são treinados como designers usem ferramentas criativas para enfrentar uma vasta gama de desafios. Uma e outra vez, tenho visto o entusiasmo inicial sobre os resultados das ferramentas etnográficas desaparecer à medida que os não designers ficam sobrecarregados com o volume de informações e a confusão de procurar insights mais profundos.

Cris Lindner
Cris Lindner

Facilitadora de inovação dirigida pelo design. Inventora com foco em design thinking, gamification e tecnologias para o desenvolvimento da inteligência criativa. Designer bacharelada pelo Mackenzie a 20 anos, 10 anos como Neuro Experience Designer, tendo trabalhado com grandes marcas e projetos de diversos segmentos, como Coca-Cola, Globo, Intel, Bradesco e muitas outras. Designer de Ideias e Designer de Futuro, especializada pela USP em Gestão da Inovação, MIT em Design Thinking e MBA em Brading pela Rio Branco.42 anos de história, com muitas aventuras e experiências de uma vida que faz mais sentido dia a dia… Após esses 20 anos ajudando grandes marcas a se conectarem com seus públicos, oriento meus esforços para ajudar pessoas a encontrarem sua verdadeira originalidade, trabalharem seu propósito maior e refinarem sua utilidade … depois de ter dedicado os últimos 10 anos na Innovati, por meio de PD&I, NX e NUX, para conquistar formas mais fáceis de PENSAR e evoluir o poder CRIATIVO humano, traduzido em melhores planos e decisões sobre o que FAZER, ou como AGIR, mas principalmente se conectarem com seu SENTIR e para viverem o seu SER MAIOR. E assim, foi através de uma teoria original epistemológica que pudemos criar o Hack do Insight, tornando a criatividade acessível a todos os perfis de mentes humanas, que precisam principalmente tomar decisões mais rápidas de forma assertiva e ter ideias inovadoras e disruptivas livremente, com confiança e a qualquer momento.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *