Quando a destruição criativa ocorre?

A destruição criativa ocorre quando a introdução de novos produtos e tecnologias leva ao fim de outras indústrias e empregos. À medida que alguns empregos se tornam obsoletos, o resultado é o desemprego estrutural, que é causado por mudanças na composição industrial (estrutura) da economia. destruição criativa é o desmantelamento de práticas de longa data para abrir caminho para a inovação e é vista como uma força motriz do capitalismo. Mais uma vez, porém, da destruição surge um novo espírito de criação; a escassez de madeira e as necessidades da vida cotidiana.

Forçou a descoberta ou invenção de substitutos da madeira, forçou o uso de carvão para aquecimento, forçou a invenção do coque para a produção de ferro. O que é destruição criativa na economia? Qual é a definição da teoria da destruição criativa de Schumpeter? Que exemplos bons e recentes de destruição criativa existem? Vamos dar uma olhada mais de perto nessas questões. Definição de destruição criativa Refere-se ao processo de como o capitalismo leva a uma estrutura da economia em constante mudança. Antigas indústrias e firmas, que não são mais lucrativas, fecham permitindo que os recursos (capital e mão de obra) se movam para processos mais produtivos.

Michael Cox, A abertura de novos mercados, estrangeiros ou domésticos, e o desenvolvimento organizacional da loja de artesanato para preocupações como U, S. O aço ilustra o mesmo processo de mutação industrial, se me permite usar esse termo biológico que revoluciona incessantemente a estrutura econômica de dentro, destruindo incessantemente a antiga, criando incessantemente uma nova. Esse processo de destruição criativa é o fato essencial sobre o capitalismo. Schumpeter e os economistas que adotam seu resumo sucinto da agitação incessante do livre mercado ecoam os críticos do capitalismo em reconhecer que empregos perdidos, empresas arruinadas e indústrias desaparecidas são partes inerentes do sistema de crescimento.

A graça salvadora vem de reconhecer o bem que vem da turbulência. Com o tempo, as sociedades que permitem que a destruição criativa opere se tornam mais produtivas e ricas; seus cidadãos veem os benefícios de produtos novos e melhores, semanas de trabalho mais curtas, melhores empregos e padrões de vida mais elevados. Aqui está o paradoxo do progresso. Uma sociedade não pode colher as recompensas da destruição criativa sem aceitar que alguns indivíduos podem estar em pior situação, não apenas a curto prazo, mas talvez para sempre.

Ao mesmo tempo, as tentativas de suavizar os aspectos mais severos da destruição criativa, tentando preservar empregos ou proteger as indústrias, levarão à estagnação e ao declínio, causando um curto-circuito na marcha do progresso. O termo duradouro de Schumpeter nos lembra que a dor e o ganho do capitalismo estão inextricavelmente ligados. O processo de criação de novas indústrias não avança sem varrer a ordem preexistente. O transporte é um exemplo dramático e contínuo de destruição criativa no trabalho.

Com a chegada da energia a vapor no século XIX, as ferrovias varreram os Estados Unidos, ampliando os mercados, reduzindo os custos de transporte, construindo novas indústrias e fornecendo milhões de novos empregos produtivos. O motor de combustão interna abriu o caminho para o automóvel no início do próximo século. A corrida para colocar a América sobre rodas gerou novos empreendimentos; em um ponto na década de 1920, a indústria havia aumentado para mais de 260 fabricantes de automóveis. As ondulações do automóvel se espalharam pelo petróleo, turismo, entretenimento, varejo e outras indústrias.

Nos calcanhares do automóvel, o avião voou para o nosso mundo, desencadeando sua própria explosão de novos negócios e empregos. Empreendedores introduzem novos produtos e tecnologias com o objetivo de melhorar a si mesmos com o objetivo de lucrar. Novos bens e serviços, novas empresas e novos setores competem com os existentes no mercado, levando os clientes oferecendo preços mais baixos, melhor desempenho, novos recursos, estilo mais atraente, serviço mais rápido, locais mais convenientes, status mais alto, marketing mais agressivo ou embalagens mais atraentes. Em outro aspecto aparentemente contraditório da destruição criativa, a busca do interesse próprio acende o progresso que torna os outros melhores.

A indústria de telefonia não é um exemplo isolado de destruição criativa no trabalho. Em 1900, quase quarenta de cada cem americanos trabalhavam na agricultura para alimentar um país de noventa milhões de pessoas. Um século depois, são necessários apenas dois em cada cem trabalhadores. Apesar de uma das reduções mais completas da história, o país não passou fome.

Os Estados Unidos desfrutam de abundância agrícola, produzindo mais carne, grãos, vegetais e laticínios do que nunca, graças em grande parte aos enormes avanços na produtividade agrícola. Os recursos que não são mais necessários para alimentar a nação foram liberados para atender às demandas de outros consumidores. Ao longo das décadas, os trabalhadores que não precisavam mais da agricultura mudaram-se para as cidades, onde se tornaram disponíveis para produzir outros bens e serviços. Eles começaram em fundições, fábricas de frigoríficos e docas de carga nos primeiros dias da Era Industrial.

Seus netos e netas, vivendo em uma economia remodelada pela destruição criativa na Era da Informação, são menos propensos a trabalhar nesses empregos. Eles estão tomando computadores, filmes e decisões financeiras e fornecendo uma miríade de outros bens e serviços de uma economia moderna (Tabela. Nos últimos dois séculos, as nações ocidentais que abraçaram o capitalismo alcançaram um tremendo progresso econômico à medida que novas indústrias suplantaram as antigas. Mesmo com os padrões de vida mais elevados, no entanto, o fluxo constante de livre iniciativa nem sempre é bem-vindo.

A interrupção de empregos perdidos e negócios fechados é imediata, enquanto a recompensa da destruição criativa vem principalmente a longo prazo. Como resultado, as sociedades sempre serão tentadas a bloquear o processo de destruição criativa, implementando políticas para resistir às mudanças econômicas. Michael Cox é vice-presidente sênior e economista-chefe do Federal Reserve Bank of Dallas. Richard Alm é redator de economia no Dallas Fed.

Eles são co-autores de Myths of Rich and Poor (199.O acesso a esta página foi negado porque acreditamos que você esteja usando ferramentas de automação para navegar no site). Desenvolvido por PerimeterX, Inc. Destruição criativa significa que os fechamentos da empresa e a perda de empregos são bons para o bem-estar da economia a longo prazo. Schumpeter caracterizou a destruição criativa como inovações no processo de fabricação que aumentam a produtividade, descrevendo-a como o processo de mutação industrial que revoluciona incessantemente a estrutura econômica a partir de dentro, destruindo incessantemente a antiga, criando incessantemente uma nova.

Joseph Schumpeter (1883-1950) cunhou o termo aparentemente paradoxal “destruição criativa”, e gerações de economistas o adotaram como uma descrição abreviada da maneira confusa do mercado livre de gerar progresso. Embora Schumpeter tenha dedicado um capítulo de apenas seis páginas a “O Processo de Destruição Criativa”, no qual ele descreveu o capitalismo como “o vendaval perene da destruição criativa, ele se tornou a peça central para o pensamento moderno sobre como as economias evoluem. Os políticos muitas vezes impõem impedimentos às forças da destruição criativa, regulando as regras de entrada e saída que dificultam a ocorrência da agitação. Em Capitalism, Socialism and Democracy (194), Joseph Schumpeter desenvolveu o conceito a partir de uma leitura cuidadosa do pensamento de Marx (ao qual toda a Parte I do livro é dedicada), argumentando (na Parte II) que as forças criativas-destrutivas desencadeadas pelo capitalismo acabariam por levar ao seu fim como um sistema (veja abaixo).

Exemplos de destruição criativa na história incluem a linha de montagem de Henry Ford e como ela revolucionou a indústria de fabricação de automóveis. A expressão destruição criativa foi popularizada e está mais associada a Joseph Schumpeter, particularmente em seu livro Capitalism, Socialism and Democracy, publicado pela primeira vez em 1942.A destruição criativa é o capitalismo na era do herói, onde o empreendedor fornece a energia criativa para a inovação e a destruição que isso acarreta. Mais recentemente, a ideia de destruição criativa foi utilizada por Max Page em seu livro de 1999, The Creative Destruction of Manhattan, 1900-1940. No entanto, enquanto Marx acreditava que a crise e a destruição capitalistas levariam ao seu fim, Schumpeter viu a destruição criativa como uma maneira necessária e natural de permitir novos mercados e um novo crescimento.

.

Cris Lindner
Cris Lindner

Facilitadora de inovação dirigida pelo design. Inventora com foco em design thinking, gamification e tecnologias para o desenvolvimento da inteligência criativa. Designer bacharelada pelo Mackenzie a 20 anos, 10 anos como Neuro Experience Designer, tendo trabalhado com grandes marcas e projetos de diversos segmentos, como Coca-Cola, Globo, Intel, Bradesco e muitas outras. Designer de Ideias e Designer de Futuro, especializada pela USP em Gestão da Inovação, MIT em Design Thinking e MBA em Brading pela Rio Branco.42 anos de história, com muitas aventuras e experiências de uma vida que faz mais sentido dia a dia… Após esses 20 anos ajudando grandes marcas a se conectarem com seus públicos, oriento meus esforços para ajudar pessoas a encontrarem sua verdadeira originalidade, trabalharem seu propósito maior e refinarem sua utilidade … depois de ter dedicado os últimos 10 anos na Innovati, por meio de PD&I, NX e NUX, para conquistar formas mais fáceis de PENSAR e evoluir o poder CRIATIVO humano, traduzido em melhores planos e decisões sobre o que FAZER, ou como AGIR, mas principalmente se conectarem com seu SENTIR e para viverem o seu SER MAIOR. E assim, foi através de uma teoria original epistemológica que pudemos criar o Hack do Insight, tornando a criatividade acessível a todos os perfis de mentes humanas, que precisam principalmente tomar decisões mais rápidas de forma assertiva e ter ideias inovadoras e disruptivas livremente, com confiança e a qualquer momento.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *